(67) 3025-2010
copiastatus@gmail.com

Programa Bilíngue

Ensino Integral

Atividades Extracurrículares

Alimentação

Aprovados

Projetos e Eventos

Atividades Extracurriculares

BALÉ

Dançar não só é divertido como também muito favorável ao bem-estar físico e emocional das crianças. Além de melhorar a coordenação motora, a dança também ajuda a criança a ser mais disciplinada e mais esforçada. O Ballet clássico é uma das danças mais recomendadas às crianças quando são pequenas. O Ballet favorece a criatividade, a musicalidade e o trabalho em grupo. Desenvolver a musicalidade e a expressão corporal na educação infantil é muito importante não só para trabalhar atividades que envolvam música e dança, mas também para o reconhecimento de seu corpo, de suas possibilidades e limitações espaciais, temporais e laterais. É difícil imaginar uma criança que ao ouvir determinada música não acabe dançando, isso vem desde muito cedo devido ela vivenciar diferentes situações nas quais os adultos mesmo sem perceber acabam passando essa ideia de que música foi feita para dançar e expressar diferentes emoções. Mas não é só esse o papel da música na educação, ela vai muito além de uma gostosa diversão. A música tem que ser entendida como uma linguagem e não como uma forma de estratégia para banalizá-la. Tem que mostrar um amplo universo de sons para o aluno. Isso vai ajudá-lo a ampliar seus sentidos, como a visão, o tato e, principalmente, a audição.

JUDÔ

“Praticar o Judô é educar a mente a pensar com velocidade e exatidão, bem como ensinar o corpo a obedecer com precisão. O corpo é uma arma cuja eficiência depende da precisão com que se usa a inteligência” (KANO) O Judô, pode sim ser aplicado na educação infantil normalmente, desde que seja inserido de forma lúdica e saudável, respeitando sempre as fases do desenvolvimento da criança, abordando suas respectivas metodologias, lembrando que a criança é apenas uma criança e não um atleta ou adulto em miniatura; assim devemos respeitar seus limites e capacidades. Além dos seus benefícios, conhecemos um pouco da história desse esporte, no qual seu significado é “Caminho Suave”, mostrando que sua prática pode ser feita por qualquer faixa etária. Um esporte com cultura japonesa, criado por Jigoro Kano e que ganhou força e é praticado até os dias de hoje, por sua beleza e não com incitação à violência, com um conceito muito importante que é o bem estar mútuo, colaborando para um futuro com crianças saudáveis, longe das drogas, violências e melhor ainda, tornando-se cidadãos de bem. Para a formação da criança, deve haver um discernimento de que a escola não é um prolongamento de sua academia ou de um clube. O Judô não é apenas uma luta desportiva, ou um sistema invencível de ataque e defesa. Antes de tudo é um processo de educar a mente, o corpo e a moral, portanto é EDUCAÇÃO […]” Lima (2003, p. 24), declara que “de acordo com o estudo do desenvolvimento psicomotor da criança, aconselha-se que as atividades de iniciação sejam aplicadas de forma lúdica e bastante generalizadas em termos de movimentos básicos do Judô, visando o estímulo ao desenvolvimento das habilidades motoras básicas (movimentos naturais)’’.

FUTEBOL DE SALÃO

O desenvolvimento da criança ocorre de forma gradativa ao longo do seu crescimento e de sua capacidade de se adaptar as suas necessidades básicas. No entanto, para isso é preciso de materiais variados, espaço, jogos e o mais importante, é relevante que haja um ambiente agradável (Kamila, 2010). O Futebol pode contribuir muito com esse desenvolvimento e de forma coletiva .Dentre os esportes o futsal é um dos, se não o mais, utilizado no âmbito escolar. O futsal é um esporte genuinamente brasileiro que se espalhou pelo mundo e encontra cada vez mais adeptos entre homens e mulheres. O futsal está crescendo pelo mundo e não é à toa. Ele é similar ao futebol de campo e precisa de menos espaço e de menos jogadores. Estas são algumas das vantagens que fazem com que seja bem mais fácil montar um time e manter uma regularidade de treinamento. Além disso, é um esporte que fortalece a saúde, propicia o ganho de força física, resistência cardiovascular e muscular, e ainda desenvolve panturrilhas, coxas, glúteos, costas e abdômen.

MUSICALIZAÇÃO INFANTIL

A música é uma linguagem universal, tendo participado da história da humanidade desde as primeiras civilizações. Atualmente existem diversas definições para música. Mas, de um modo geral, ela é considerada ciência e arte, na medida em que as relações entre os elementos musicais são relações matemáticas e físicas; a arte manifesta-se pela escolha dos arranjos e combinações. A musicalização é um processo de construção do conhecimento, que tem como objetivo despertar e desenvolver o gosto musical, favorecendo o desenvolvimento da sensibilidade, criatividade, senso rítmico, do prazer de ouvir música, da imaginação, memória, concentração, atenção, autodisciplina, do respeito ao próximo, da socialização e afetividade, também contribuindo para uma efetiva consciência corporal e de movimentação. As atividades de musicalização permitem que a criança conheça melhor a si mesma, desenvolvendo sua noção de esquema corporal, e também permitem a comunicação com o outro. As atividades musicais realizadas na escola não visam a formação de músicos, e sim, através da vivência e compreensão da linguagem musical, propiciar a abertura de canais sensoriais, facilitando a expressão de emoções, ampliando a cultura geral e contribuindo para a formação integral do ser. Além disso, como já foi citado anteriormente, o trabalho com musicalização infantil na escola é um poderoso instrumento que desenvolve, além da sensibilidade à música, fatores como: concentração, memória, coordenação motora, socialização, acuidade auditiva e disciplina. A presença da música na Educação Infantil auxilia a percepção, estimula a memória e a inteligência, relacionando-se ainda com habilidades linguísticas e lógico-matemáticas ao desenvolver procedimentos que ajudam o educando a se reconhecer e a se orientar melhor no mundo. Além disso, a música também vem sendo utilizada como fator de bem estar no trabalho e em diversas atividades terapêuticas, como elemento auxiliar na manutenção e recuperação da saúde.